terça-feira, 31 de agosto de 2010

Elvis, organizado por Reinhard Kleist & Titus Ackermann


Dizem que o rei do rock era apaixonado por quadrinhos e, numa época em que tanto seu rebolado quanto os gibis eram considerados perigosos e ofensivos, ele se divertia com tirinhas e fazia sua música mais pelo prazer de estar com o público do que qualquer outra coisa.

Elvis não é produzido por apenas uma ou duas pessoas. Kleist e Titus juntaram pequenas histórias de diversos artistas da Alemanha sobre o astro neste belo livro biográfico. Nada mais justo do que uma biografia em quadrinhos para alguém que os adorava quando vivo. Me surpreendo que este livro seja alemão, e não americano.


Cada uma das histórias retrata um momento da vida e da carreira de Elvis. De Tupelo para Memphis, de Søren Mosdal, começa com o nascimento de Elvis Aaron Presley e seu natimorto irmão gêmeo Jesse e discorre pela infância do garoto, que apanhava na escola, aprendeu a cantar na igreja e ganhou um violão quando queria uma pistola de pressão com cores vivas em fundos acinzentados e olhos grandes, bem marcados.

"Diferente dos outros", de Nic Klein, mostra o jovem Elvis em busca do sucesso e de ajuda financeira para a mãe, Grace, seduzindo corações das moças nas praças com seu violão, em traços que lembram aquarela e cores amarronzadas.

O Colonel, de Thomas von Kummant, mostra o cantor já famoso, conquistando fãs e antipatias como o garoto branco que canta como negro e um rebolado que poderia lhe render uma prisão. Neste capítulo, Elvis já comprou Graceland, a casa de sua mãe, e é convocado para o exército, tarefa que aceita com prazer, para dar exemplo a outros jovens americanos. Os traços de Kummant são bem mais realistas e as cores, mais vivas que as de Klein.

G.I. Blues, de Reinhard Kleist, retrata, principalmente a ida de Presley para o exército e a morte de Grace. O cantor, devotamente apaixonado pela mãe, não se recupera completamente da situação.

Elvis is Back, de Isabel Kreitz, fala da volta do cantor para os Estados Unidos, sua paixão por Priscilla e sua maior preocupação: seus fãs esperaram por ele? Aqui começa, também, o vício em anfetaminas. Uma pílula lhe é dada pelo médico, por causa de uma queda após um show.


O Produto Elvis, de Reinhard Kleist, mostra um Elvis teimoso, contrariado. Reclama que seu produtor lhe "vende como um macaco". Ele, por sua vez, alerta para a decadência iminente do astro. Tudo que Elvis quer, no entanto, é manter seus amigos por perto e satisfazer seus fãs.

Os capítulos seguintes, listados a seguir, mostram a decadência do cantor, os problemas do casamento, sua casa sempre cheia de amigos nos quais, no entanto, não se poderia confiar plenamente e o vício cada vez mais arraigado nas drogas.


Como o livro é todo marcado por músicas de Elvis ou cantadas por ele, em pouco tempo o leitor já está com as músicas tocando na cabeça enquanto lê. O capítulo final é marcado pela música Amazing Grace, "tocada" na voz de Elvis, o que o torna ainda mais emocionante.

Capítulos e autores:
De Tupelo para Memphis (1935-1949), Søren Mosdal
"Diferente dos outros" (1950-1954), Nic Klein
O Colonel (1955-1957), Thomas von Kummant
G.I. Blues (1958), Reinhard Kleist
Elvis is Back (1959-1960),  Isabel Kreitz
O Produto Elvis (1960-1967), Reinhard Kleist
A Máfia de Memphis, Michael Meier
Separate Ways (1972), Tim Dinter
Aloha from Hawaii (1973-1977), Uli Oesterle
I did it my way... (1977), Frank Schmolke

Elvis, organizado por Reinhard Kleist e Titus Ackermann
Publicado em 2010 pela editora 8inverso
Brochura.
127 páginas.
Formato: 24 x 17,6 cm
R$ 63,00

Quer adquirir a sua? Entre em contato!
Telefone: (83) 3227.0656
Email: comichousevendas@gmail.com

Endereço: Avenida Nego, 200, Tambaú (João Pessoa-PB)
Twitter: @Comic_House   

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Eu Sou Legião, de Fabien Nury e John Cassaday


Alemanha, década de 1940, pleno nazismo e os nazistas parecem ter achado a arma que precisavam para vencer a Segunda Guerra Mundial. Nesta envolvente e violenta história, os aliados não lutam apenas contra humanos comuns levados à loucura, de certa forma, por um líder eloquente e perigoso. Além de toda a propaganda nazista, exterminação em massa daqueles que não tem "sangue puro" e experiências médicas de todo gênero, Hitler conta com algo além deste mundo.



A pequena Ana parece ser uma garota comum sendo doutrinada por um oficial, mas logo se descobre que ela exerce um controle sobrenatural, inicialmente em um gato. Os agentes da inteligência secreta britânica têm noção de que algo ainda mais perigoso do que a lavagem cerebral alemã existe e se esforçam para tentar eliminar a ameaça antes que seja tarde demais.

A tal ameaça, no entanto, ainda não é nada concreto. Departamentos internos do partido nazista possuem opiniões divergentes sobre a real utilidade dos poderes de Ana e se vale ou não a pena levar os experimentos adiante.


O que nem os alemães nem os ingleses e os outros aliados sabem é que o tal poder de Ana é uma ameaça ainda maior que a Segunda Guerra Mundial, pois ela é Legião. Este livro traz uma história fictícia dentro de uma das mais impressionantes e brutais histórias recentes da humanidade, misturando realidade, folclore e religião. Os desenhos são bem realistas, com narrativa e enquadramentos cinematográficos mérito do desenhista John Cassaday, mais conhecido em nosso país por seu trabalho nas séries Planetary e X-Men. Já a colorização de Laura Depuy não carrega o tom sombrio e cinzento que normalmente acompanha as histórias deste período.

Eu Sou Legião, de Fabien Nury e John Cassaday
Publicado em 2009 pela editora Panini.
Capa dura.
176 páginas.
Formato: 20,5 x 27,5 cm
R$ 49,00

Quer adquirir a sua? Entre em contato!
Telefone: (83) 3227.0656
Email: comichousevendas@gmail.com

Endereço: Avenida Nego, 200, Tambaú (João Pessoa-PB)
Twitter: @Comic_House   

sábado, 28 de agosto de 2010

Chibata! João Cândido e a revolta que abalou o Brasil

de Hemerito & Olinto Gadelha


João Cândido, um negro forte, inteligente e decidido, filho de escravos libertados, teve chances que poucos de sua classe tiveram quando criança, como aprender a ler e escrever. Bom aluno, acusado injustamente de roubo, o pai o tirou da escola como castigo e levou-o consigo para a tropa. O garoto logo demonstrou grande habilidade com manobras militares e ingressou a marinha.


O livro começa com João preso no hospício de Praia Vermelha, já velho. Ele é responsável pela narrativa da Revolução da Chibata, na qual os marinheiros, liderados por ele, tomaram o navio Encouraçado Minas Gerais, seguindo o exemplo de marinheiros russos do Encouraçado Potemkin.


Por mais que a escravidão já houvesse acabado há 20 anos, em 1910 a mentalidade escravocrata brasileira continuava viva e era especialmente forte na Marinha. Os marinheiros, em geral negros e mulatos, passavam por castigos físicos, condições de higiene abaixo do inadequado e alimentação precária, geralmente preparada com comida apodrecida.


João, o Almirante Negro, lutou contra os abusos por parte dos oficiais e este maravilhoso volume em preto e branco, com uma arte forte e um jogo de sombras bem trabalhado mostra seu esforço para ser reconhecido como homem livre e com direitos iguais. Outra coisa que chama a atenção na arte são os planos utilizados nas cenas, tanto nos detalhes dos navios como na vista de cima dos quartos do hospício.

Chibata! João Cândido e a revolta que abalou o Brasil, de Hemerito & Olinto Gadelha
Publicado em 2008 pela editora Conrad.
Brochura.
128 páginas.
Formato: 21 x 27 cm
R$ 41,00

Quer adquirir a sua? Entre em contato!
Telefone: (83) 3227.0656
Email: comichousevendas@gmail.com

Endereço: Avenida Nego, 200, Tambaú (João Pessoa-PB)
Twitter: @Comic_House   

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Omaha - A Stripper, de Reed Waller e Kate Worley

 

Omaha é uma gata. Isso não é forma de expressão, ela é realmente uma gata. O livro Omaha - A Stripper traz personagens antropomórficos: gatos, cachorros, pássaros... Ele é centrado em Omaha, uma gatinha do interior que veio para a cidade grande e começou a trabalhar num clube de strip-tease. Logo ela conhece o artista Chuck e começa um relacionamento com ele.

A história, no entanto, não se restringe a animais com corpos de mulheres e homens nus, dançando e tendo relações sexuais. O sexo é um elemento bem presente (e bem explícito) no enredo, tanto quanto está bem encaixado. A história foi criada na década de 1970 e apresenta uma relação diferente com o sexo, condizente com a época pré-Aids e com o movimento nas HQs da época.

A narrativa não apresenta apenas fatos do cotidiano, como as relações entre amantes, amigos, namorados e o sexo livre da época. Há uma trama política no meio. O prefeito da cidade resolveu que vai limpá-la: fechará todos os clubes de strip-tease e "salvará" os cidadãos da imoralidade e sujeira. No entanto, há um jogo de corrupção por trás e um plano megalomaníaco de um homem endinheirado.


A HQ vai além do erotismo e de uma história sensual e investigativa: apresenta também uma crítica ao moralismo, corrupção e falta de decência não só dos políticos, mas das pessoas que vivem vidas duplas. No final da obra, muito bem apresentada com os traços em preto e branco de Waller e roteiro de Worley, há uma sugestão de um livro posterior. Esperemos que a Conrad traga para o Brasil uma segunda história com a sensual e decidida Omaha.

Omaha - A Stripper, de Reed Waller e Kate Worley
Publicado em 2006 pela editora Conrad, na coleção Eros.
Brochura.
128 páginas.
Formato: 21,5 x 27,5 cm
R$ 32,00

Quer adquirir a sua? Entre em contato!
Telefone: (83) 3227.0656
Email: comichousevendas@gmail.com

Endereço: Avenida Nego, 200, Tambaú (João Pessoa-PB)
Twitter: @Comic_House   

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Sin City: O Assassino Amarelo | Balas, Garotas & Bebidas, de Frank Miller


Basin City, ou Sin City, como é carinhosamente conhecida, é uma cidade cujos passos são marcados pela corrupção e violência. A lei não é outra se não a da natureza: a dos mais fortes - ou dos que tem mais dinheiro.

Em O Assassino Amarelo, Sin City é palco da última noite de trabalho de John Hartingan, prestes a se aposentar. Um dos raros policiais honestos da cidade que quer fazer um último bom trabalho antes de estregar o distintivo: salvar uma garotinha das mãos de um psicopata. O problema é que o criminoso é filho de um político influente. Nancy Calahan, de apenas onze anos, tem poucas chances de escapar.

No entanto, Hartingan consegue salvá-la, ao custo de sua carreira e tudo o que construiu na vida. Foi preso pelo estupro da garotinha e o verdadeiro malfeitor ficou a solta. Após anos preso, ele fará o possível para acertar as contas.














Em Balas, Garotas & Bebidas, Frank Miller narra onze histórias envolvendo mafiosos, assassinos, loucos e prostitutas, frequentadores da Cidade Velha. Cada um tentando levar a vida o melhor possível e garantindo a própria segurança dentro das leis nada convencionais da cidade. A Cidade Velha, por exemplo, está fora dos limites da polícia. Lá, quem manda são os donos do local. Ou melhor, as donas: as prostitutas.

Este volume contém desfechos de histórias de alguns livros, pontos de partida para outros e histórias independentes. Se bem que cada história de Sin City pode ser lida sozinha. Mesmo que os personagens se cruzem e, no todo, as histórias se completem, cada livro tem vida própria, por assim dizer, independete dos outros.

A história da Cidade do Pecado é contada em sete livros: Balas, Garotas & Bebidas; O Assassino Amarelo; A Cidade do Pecado; A Dama Fatal; A Grande Matança; A Noite da Vingança e De Volta ao Inferno. Os volumes deste texto são os que inspiraram o filme Sin City (2005), de Robert Rodriguez, Frank Miller e Quentin Tarantino.

Algo muito interessante da arte de Sin City é que é todo em preto e branco, sem nuances de cinza, e com um jogo de luz e sombras maravilhosamente bem trabalhado. Em cada história, uma cor é utilizada além do preto e do branco. No Assassino Amarelo, temos o amarelo. Em Balas, Garotas & Bebidas, cada história tem sua cor, normalmente vermelho, azul ou rosa. Dentre outros, Miller se inspirou no uruguaio Breccia (de Perramus) em seu trabalho.


Sin City: O Assassino Amarelo, de Frank Miller
Publicado em 2005 pela editora Devir
Brochura.
240 páginas.
Formato: 26 x 17 cm
R$ 45,00













Sin City: Balas Garotas & Bebidas, de Frank Miller
Publicado em 2006 pela editora Devir.
Brochura.
153 páginas.
Formato: 26 x 17,5 cm
R$ 45,00

Quer adquirir as suas? Entre em contato!
Telefone: (83) 3227.0656
Email: comichousevendas@gmail.com

Endereço: Avenida Nego, 200, Tambaú (João Pessoa-PB)
Twitter: @Comic_House   

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Authority - Sem Perdão / Sob Nova Direção

No final do século XX, num mundo aonde supostamente não existem mais super-heróis, há um grupo terrorista destruindo grandes metrópoles. E então surge o grupo Authority, decidido a mudar o mundo de um jeito nunca antes feito por outro grupo de super-poderosos. Eles consideram que "vilão bom é vilão morto" e farão o possível para garantir isso.

O Authority é liderado pela fanaticamente inglesa Jenny Sparks, o espírito do século XX, com poderes relacionados à eletricidade. Seus integrantes são Jack Hawksmoor, o rei das cidades; Engenheira, a criadora; Doutor, o xamã; Swift, a caçadora alada; Apolo, o rei sol e Meia-Noite, o arauto noturno da guerra. Alguns deles, como o Doutor e a Engenheira, descobriram a pouco suas habilidades especiais e os poderes ainda estão se revelando.

À bordo d'A Balsa, uma nave capaz de transitar nos limites da realidade, o Authority, recém organizado por Sparks, descobre na primeira história de Sem Perdão, O Círculo, que os terroristas possuem um líder megalomaníaco, que deseja deixar sua marca no mundo.

Na segunda história, Alter-Naves, uma realidade paralela se revela. Seus habitantes, incapazes de progredir em seu próprio mundo, planejam invadir o mundo em que vivemos e dominá-lo. Jenny Sparks, que conviveu com o povo da outra realidade, numa época em que as duas se comunicavam, parece saber o caminho para impedir o caos.

Em Sob Nova Direção, a primeira história, Trevas Cósmicas, algo começa a interferir na vida da Terra. Primeiramente, todos imaginam que seja algum tipo de ameaça alienígena, até que o Doutor descobre, ao entrar em contato com os xamãs que o antecederam, que nosso planeta não nos pertence, foi herdado. E os seres que a deram resolveram tomá-la de volta. Como Sparks conclui, agora eles terão que eliminar Deus. Com a conclusão da história, conclui-se também o século XX.

A segunda história do volume, Natividade, inicia-se com a descoberta do espírito do século XXI, que nasceu na virada do ano. O Authority não é o único grupo a querer saber aonde está o bebê. Há diversos de grupos, controlados por vilões, que querem garantir que a criança nunca chegue à idade adulta. Para encontrá-la e  protegê-la, os heróis terão que seguir caminhos surpreendentes. O grupo, agora, alcançou status de celebridade e eles terão que lidar também com a presença da mídia.

Os três primeiros arcos da história tiveram como equipe criativa Warren Ellis (roteiro) e Bryan Hitch (desenho). Já o último arco, Natividade, conta com o roteirista Mark Millar e desenhos de Frank Quitely. Authority, criado por Ellis e Hitch, apresenta heróis marcantes, com personalidades desenvolvidas, problemas pessoais, vícios, hábitos e desejos bem presentes. Algo muito interessante das páginas é que as sarjetas são pretas, diferentemente da HQ convencional, com o espaço branco entre um quadro e outro.

Authority - Sem Perdão (Volume 1), de Warren Ellis e Bryan Hitch
Publicado em 2005 pela editora Devir
Brochura.
192 páginas.
Formato: 24 x 17 cm
R$ 45,00














Authority - Sob Nova Direção (Volume 2), de Warren Ellis, Bryan Hitch, Mark Millar e Frank Quitely
Publicado em 2006 pela editora Devir.
Brochura.
196 páginas.
Formato: 16,5 x 24,5 cm
R$ 45,00

Quer adquirir as suas? Entre em contato!
Telefone: (83) 3227.0656
Email: comichousevendas@gmail.com

Endereço: Avenida Nego, 200, Tambaú (João Pessoa-PB)
Twitter: @Comic_House   

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Perramus - Dentre por Dente

de Alberto Breccia e Juan Sasturain


Perramus foi escrita e desenhada entre 1988 e 1989 e se passa na Argentina, após o término da última ditadura militar no país (conhecida como Processo de Reorganização Nacional). Na história, fala-se da mudança do estado de espírito dos cidadãos, um pouco da política atual e mostra que os militares não se consideram de todo vencidos.

Nesse clima, Perramus, o protagonista, reencontra seus dois amigos Negro e Inimigo, para uma missão a pedido do Mestre, ninguém menos que Jorge Luis Borges. Lhes é pedido que recuperem o sorriso de Gardel. Faltam dez dentes ao crânio de Carlitos Gardel, popularmente conhecido como Sabiá, e os três amigos devem reconstituir este símbolo da felicidade perdida.


Borges não é o único personagem real que aparece nesta aventura de investigação fictícia. Nos deparamos também com outro grande nome da literatura latino-americana, Gabriel García Marquez, além de Frank Sinatra e Fidel Castro. As personalidades são empregadas como personagens da história sem carregar um grande compromisso com a realidade. As condutas deles não são necessariamente atribuíveis às contrapartes de carne e osso.

A história em quadrinhos não exige, necessariamente, grande conhecimento da História ou cultura argentinas, mas despertam grande curiosidade a respeito. As novas tentativas de golpe militar são retratadas, bem como grandes obras dos escritores. Ainda que não apareça grande coisa de 100 Anos de Solidão, o livro é essencial para desvendar o primeiro mistério.

A arte do uruguaio Breccia é algo bem diferente das histórias em quadrinhos que vemos por aí. Tem um quê de mistura com caricatura e técnicas de aquarela (apesar da obra ser em preto e branco, podemos notar no sombreado), algo que chama a atenção desde a capa texturizada (devo ressaltar que adoro capas texturizadas).


Perramus - Dente por Dente, de Alberto Breccia e Juan Sasturain
Publicado em 2009 pela editora Globo
Brochura.
172 páginas.
Formato: 19,5 × 27,5 cm
R$ 45,00

Quer adquirir a sua? Entre em contato!
Telefone: (83) 3227.0656
Email: comichousevendas@gmail.com

Endereço: Avenida Nego, 200, Tambaú (João Pessoa-PB)
Twitter: @Comic_House   

100 Balas: Laços de Sangue

de Brian Azzarello e Eduardo Risso


Imagine que a sua vida foi destruída indevidamente... Você foi preso, acusado de pedofilia, sua filha desapareceu ou algo do gênero. Até agora, o que aconteceu foi um mero acaso, coincidência, lugar errado na hora errada, quando aparece alguém que você nunca viu na vida, com uma maleta contendo uma foto do culpado por sua vida estar como está, todas as provas de que aquela pessoa "armou" para você, uma pistola e cem balas não rastreáveis. Sua chance de vingança. O portador da arma está acima da lei.

Está é a história dos personagens de 100 Balas. Grande parte deles pagou por crimes que não cometeram, ou vivem em constante tristeza e ignorância sobre o paradeiro de entes queridos. São criaturas que simplesmente sobrevivem a cada dia. Surge então o misterioso Agente Graves com a tal maleta, apontando os caminhos para a vingança e garantindo a total segurança daqueles que recebem o presente, sem pedir nada em troca.


Até aqui, o Agente Graves e seu, digamos, parceiro, Sr. Sheppard, já ajudaram diversos personagens, entre mães, jogadores inveterados e um mero sorveteiro. As histórias se entrelaçam e ficamos sabendo que os dois enigmáticos homens fazem parte de uma organização conhecida como Minutemen e que há outra, maior, que quer destrui-los.

No terceiro volume da série, Laços de Sangue, conhecemos Loop Hughes, um adolescente negro da periferia, amargurado por nunca ter conhecido o pai. Graves lhe dá a chance de se "vingar" daquele que, à distância, causou tanto sofrimento. Mas Loop não consegue apagar Curtis e acaba se aliando à ele no trabalho para um agiota. Desenrola-se, então, uma trama mais complicada envolvendo o submundo, os Minutemen e a polícia.

E, afinal de contas, quem são esses Minutemen? O que querem com as pessoas que recebem as maletas? Por quê estão sendo perseguidos e, finalmente, o que é o Agente Graves?

A arte de 100 Balas é impressionante. As cores são vivas e há o intenso uso de preto. Os planos utilizados em alguns quadrinhos também não são nada convencionais, o que promove, juntamente à narrativa de Azzarello, maior sensação de suspense no leitor. A série ganhou, merecidamente, o Prêmio Eisner de Melhor Arco de História.

100 Balas: Laços de Sangue, de Brian Azzarello e Eduardo Risso
Publicado em 2010 pela editora Panini Comics/Vertigo
Brochura.
132 páginas.
Formato: 17 x 26 cm
R$ 16,90

Quer adquirir a sua? Entre em contato!
Telefone: (83) 3227.0656
Email: comichousevendas@gmail.com

Endereço: Avenida Nego, 200, Tambaú (João Pessoa-PB)
Twitter: @Comic_House   

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...