quarta-feira, 11 de maio de 2016

Bulldogma, de Wagner Willian





Deisy Mantovani é uma ilustradora de embalagens e livros infantis que está fazendo sua primeira história em quadrinhos, entre um freelancer e outro.

Junto com o seu buldogue francês Lino, ela acaba de se mudar para um apartamento num bairro com suspeitas de abduções alienígenas, por causa do solo rico em silício, o que reflete densa energia do campo magnético da Terra, atraindo as naves de outros mundos.

Enquanto trava a sua busca frenética por trabalho, festas e romances complicados, Mantovani garimpa filmes de ficção científica, vídeos do YouTube sobre ufologia e questionamentos filosóficos sobre a realidade.

A princípio, os fãs de ficção científica devem ser avisados que Bulldogma não é uma aventura do gênero. A obra se utiliza da sci-fi para traduzir toda uma realidade emocional embutida na protagonista.

Wagner Willian vai dando as “dicas” ao longo da narrativa. Inclusive, as fichas técnicas de filmes, músicas, livros e outros detalhes no rodapé das páginas, para facilitar a “apresentação” ao leitor, que poderá ocupar sua bagagem cultural com esses itens.

É a desconstrução do cotidiano da protagonista – gerado como se fosse um alter ego do próprio autor –, apoiada na construção desses artifícios artísticos, musicais, literários e cinematográficos.
Tome como base um dos cartazes que está no apartamento de Mantovani: Jules e Jim (1962), clássico de François Truffaut (1932-1980). O filme faz parte do movimento francês Nouvelle Vague, iniciado no final dos anos 1950 e desaguando na direção contrária do que era imposto pelo cinema hollywoodiano na época.

Dentre as características do movimento que rompeu com as tradições estéticas estão o tom confessional como um “diário íntimo” (de acordo com o próprio Truffaut), a fragmentação narrativa livre de convenções e a incorporação do acaso. Todos esses elementos estão presentes em Bulldogma.
Atente também para um dos momentos finais e importantes do álbum, que faz alusão ao final de outro clássico (com toques autobiográficos) do realizador francês, Os incompreendidos (1959).

Assim que chega à nova morada, Deisy – com sua sempre pronta e pulsante veia artística – pinta um cenário atrás do sofá da sala. Essa ação aparentemente banal sinaliza outro norteamento que é fragmentado na narrativa, o transcendentalismo.

Como o nome já indica, a corrente “transcende” o empírico e o físico, enfatizando a percepção através da consciência intuitiva sobre o racionalismo, além da exaltação ao indivíduo nas relações com a Natureza e a sociedade. Aqui, o centro urbano é um personagem fundamental.

Tais métodos alógicos da compreensão da verdade estão presentes no cinema de David Lynch, na literatura de Henry David Thoreau (1817-1862) e nas HQs de Daniel Clowes, todos de alguma forma citados no álbum de Willian.

São dois mundos – uma realidade factual e outra sensitiva, como são definidas na narrativa – que, na verdade, são apenas um.

Quase tudo que é palpável na vida da freelancer pode ser visto de forma racional, como as tretas do trabalho, a dúvida numa parte metalinguística de sua HQ ou as desilusões amorosas. Estes mesmos fatos e casualidades também geram o “mundo sensitivo”, onde os simbolismos residem tanto nos elementos pop quanto no seu bichinho de estimação, que traduz um valor afetivo, um refúgio para as agruras e mazelas da vida.

Nesse sentido, pode-se desdobrar o fractal em mais uma parte: a do cada vez mais presente mundo virtual, que entorpece e substitui os sentidos e os relacionamentos, respectivamente. Ela (2013), filme de Spike Jonze que traz à tona essa discussão, é citado e o personagem vivido por Joaquin Phoenix é inserido no meio urbano da obra.

Entrecortado por simulações de cartazes que remetem à ficção científica, há um sem-número de referências famosas e pouco conhecidas do público, que vai desde filmes como Invasores de Marte (1953), Inimigo Meu (1986) e Fogo no Céu (1993), passando pelas pinceladas de terror da polonesa Aleksandra Waliszewska, até o canal da internet de quadrinhos e cinema Pipoca e Nanquim.

Para quem está mais familiarizado com o cenário das HQs nacionais, também há muitos “figurantes” em Bulldogma. Rogério de Campos, editor da Veneta, os quadrinistas Marcello Quintanilha (autor do premiado Tungstênio), Shiko (de Lavagem), Juscelino Neco (Parafusos, zumbis e monstros do espaço) e o casal Cristina Eiko e Paulo Crumbim (Penadinho – Vida) e até integrantes da equipe do Universo HQ, como Lielson Zeni, Zé Oliboni e Sidney Gusman são alguns dos “extras” presentes no álbum.

Dono de um traço despojado e solto, Wagner Willian não traduz tudo nos seus desenhos, fazendo com que o público participe da “leitura visual”. Sua narrativa ainda coloca detalhes interessantes, como o topete do famoso personagem do belga Hergé (1907-1983) para brindar ou as linhas de diálogos verticais, envolvendo o espaço e até o buldogue Lino.

Sobre as questões editoriais, o livro apresenta capa cartonada com orelhas, papel off-set de boa gramatura e impressão, além de uma pequena biografia do autor. O ponto negativo vai para o trabalho de revisão, que deixou passar muitos erros primários e palavras que não “casam” com a arte (algumas vezes, o texto no visor do celular não está posicionado corretamente na tela, “vazando”).

Vale frisar que não é a primeira aparição de Deisy Mantovani. A personagem está num dos contos ilustrados da coletânea Lobisomem sem barba (Balão Editorial), segundo lugar na categoria Ilustração do Prêmio Jabuti 2015.

Como bônus, o autor produziu um site contendo book trailers, cenas alteradas, desdobramentos, easter eggs, bastidores e participações especiais, além da seção Flerte da mulher barbada, na qual a própria Deisy Mantovani entrevista vários profissionais do universo dos quadrinhos.

Obra de fôlego (um calhamaço de 320 páginas, algo bastante incomum no mercado nacional), Bulldogma é uma história em quadrinhos de difícil assimilação, que precisa ser lida mais de uma vez para apanhar as nuances de sua narrativa ou refletir em cima de seus simbolismos.

O leitor pode se ater mais aos fragmentos racionais e realistas, mas as situações insólitas na HQ é que vão procriar controvérsias, discussões e as sempre presentes incompreensões.

Traduzindo melhor, tome como verdade uma afirmação da própria protagonista no transcorrer da história: “Você está muito mais preocupado em chegar a algum lugar do que simplesmente estar lá”. Boa(s) leitura(s).

Título: Bulldogma
Autor: Wagner William
Páginas: 320Formato: 16 x 23cm •
Acabamento: capa cartonada
R$  59,90
Gostou? Então, compre seu exemplar autografado aqui

(Resenha publicada originalmente no site Universo HQ )

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Sharaz-De – Contos de As Mil e uma Noites, de Sérgio Toppi

A editora Figura estreia no mercado editorial brasileiro com Sharaz-De, obra do ilustrador mestre dos quadrinhos italianos Sergio Toppi.

De acordo com a própria editora, a proposta de suas publicações é, fundamentalmente, dedicada à imagem, seja em forma de ilustrações, quadrinhos, fotos ou pinturas. “Lançar livros para o fascínio dos olhos e da alma é a nossa meta”, afirma o editor Rodrigo Rosa. “Por isso que Toppi nos representa tão bem nessa largada: ele é o tipo de artista ao qual é impossível ficar indiferente, tal a originalidade e a beleza de sua obra.”

Foi nas páginas de Sharaz-De, publicada a partir de 1979, que Toppi consolidou seu estilo e rompeu com os padrões da narrativa dos quadrinhos da época.

A obra apresenta vários contos baseados em Mil e uma Noites, explorando a bárbara sociedade na qual o sobrenatural é a única solução para a injustiça. Sharaz-De (ou Sherazade, como é conhecida por aqui) é refém de um Rei cruel e déspota, e toda noite é obrigada a contar histórias para o seu mestre a fim de continuar viva.

Título: Sharaz-De – Contos de As Mil e uma Noites 
Autor: Sergio Toppi
Edição: formato 21 x 29,7 cm, 160 páginas, capa dura, 
Preço: R$ 79,90
 
Gostou? Então, compre aqui

(Notícia extraída do site Universo HQ )
 
 

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Sessão de Autógrafos de Luiza de Souza e Daniel Esteves


terça-feira, 3 de maio de 2016

Sessão de Autógrafos de Luiza de Souza e Daniel Esteves




No sábado, 07 de maio, às 18h30min, na Comic House (Avenida Nego, 255, Tambaú, João Pessoa/PB), será a vez dos quadrinhistas autografarem suas obras.

Na ocasião, Luiza de Souza fará o lançamento da hq "Contos Rabiscados Para Corações Maltrapilhos" (164 páginas, R$ 35) enquanto Daniel Esteves assinará exemplares dos seus trabalhos mais recentes, "Por mais um dia com Zapata"(formato 20,4 x 29,5 cm, 136 páginas, R$ 25), "Archimedes Bar" (16×25 cm, 32 páginas, R$ 10), "147" (15×22 cm, 24 páginas, R$ 10), além de autografar seus trabalhos anteriores "São Paulo dos Mortos vol 01" (formato 16×25 cm, 96 páginas, R$ 25), "São Paulo dos Mortos vol 02" (formato 16x25 cm, 32 páginas, R$ 15)

Colecionadores de outras cidades podem adquirir seus exemplares autografados no site da loja (www.comichouse.com.br).


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...