sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Sessão de autógrafos de Um cara que caiu do céu, na Comic house



                       Sexteto de quadrinistas participam de sessão de autógrafos em João Pessoa.

A Comic House promove, no dia 12/12, às 18h30 uma sessão de autógrafos com os quadrinistas Charlles Lucena, Alexandre Martins, Gabriel Jardim, Igor Tadeu, Jack Herbert e Paulo Moreira.

No sábado, dia 12 de dezembro, às 18h30h, na Comic House (Av. Nego, 255, Tambaú, em João Pessoa) é a vez dos quadrinistas arregaçarem as mangas e autografarem. Na ocasião, Charlles Lucena, Alexandre Martins, Gabriel Jardim, Igor Tadeu, Jack Herbert e Paulo Moreira. irão autografar o lançamento "Um cara que caiu do céu" (46 páginas, formato 20x30, R$ 28). E para aproveitar o evento, três quadrinistas também autografam suas obras anteriores, são eles: Gabriel Jardim( Café e De Dentro da Couraça), Igor Tadeu(One Hits Wonder e Uma história em cada garrafa) e Jack Herbert( Coffee Time)

Colecionadores de outras cidades podem adquirir seus exemplares autografados pelo site http://www.comichouse.com.br/


sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Sessão de Autógrafos do álbum "Um cara que caiu do céu"


quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Os quadrinistas João Lin e Thais Gualberto participam de uma sessão de autógrafos em João Pessoa.





A Comic House promove, no dia 28/11, às 18h30, na Comic House, em João Pessoa, uma sessão de autógrafos com a dupla de quadrinistas.

Confira a programação abaixo:

No sábado, dia 28 de novembro, às 18h30h, na Comic House (Av. Nego, 255, Tambaú, em João Pessoa) é a vez dos quadrinistas arregaçarem as mangas e autografar suas obras na Comic House. Na ocasião, João Lin irá autografar o lançamento "Ascenso - a poesia de Ascenso Ferreira transcriada para os quadrinhos" (80 páginas, R$ 20,00), enquanto Thais Gualberto assinará exemplares dos seu trabalho mais recente, "Olga, A sexóloga"(140 páginas, R$ 20).

Colecionadores de outras cidades podem adquirir seus exemplares autografados pelo site http://www.comichouse.com.br/

Título:Olga,a sexóloga
Autora: Thais Gualberto
Formato: 14,5cm x 14,5cm 
140 páginas
R$ 20,00 













Título: Ascenso - a poesia de Ascenso Ferreira transcriada para os quadrinhos
Autores: Ana Blue, Christiano Mascaro, João Lin, Flavão,
Guazzelli, Liz França, Luciano Félix,
Rafael Anderson, Raoni Assis,
Silvino e Tiago Acioli:
Formato: 19,5 x 25,5cm - Miolo: Colorido
80 páginas
R$ 20,00


Ascenso - Transcriação da obra de Ascenso Ferreira para os quadrinhos - Sessão de Autógrafos



ASCENSO
Transcriação da obra de Ascenso Ferreira para os quadrinhos

Mesmo não residindo presencialmente em um espaço-tempo comum, residimos nesse espaço-ideia que elegemos como mote para nossa experiência criativa. Ventos hibridizantes sopraram em nosso favor, trazendo para os quadrinhos a poesia, levando para a poesia os quadrinhos. Narrativas, indo e voltando, derrapando de um lado para o outro e transbordando para o livro Ascenso - a poesia de Ascenso Ferreira transcriada para os quadrinhos. Cada artista/quadrinista encampou o desafio de produzir uma história em quadrinhos em um processo de construção coletiva, e o resultado revela a riqueza e a diversidade de ideias que fervilharam nesses meses de residência vivenciados com intensidade e instigação.


O encontro de um grupo de artistas para produzir um livro não é novidade, mas as reflexões sobre as narrativas literárias e visuais, os diálogos abertos sobre os trabalhos de cada autor e autora, a disposição e abertura para a troca dessa vivência, tudo isso nos surpreendeu e trouxe para a publicação um sopro de inovação. Ana Blue, Christiano Mascaro, João Lin, Flavão, Guazzelli, Liz França, Luciano Félix, Rafael Anderson, Raoni Assis, Silvino e Tiago Acioli: um grupo que encarou um processo de criação coletiva, movido e alimentado pela força e arrojo da poesia de Ascenso Ferreira, deixa nas páginas dessa publicação os ricos vestígios do breve caminho que trilhamos nessa residência com o apoio luxuoso do Laboratório de Autoria Literária Ascenso Ferreira do SESC Santa Rita e das figuras instigantes de Cida Pedrosa, Sennor Ramos, Emanuella de Jesus e Rita Marize Farias. 
 
 
Título: Ascenso - A poesia de Ascenso Ferreira transcriada para os quadrinhos
80 páginas coloridas  
Formato 19,5 x 25,5cm
R$ 20
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Convidados da Sessão de Autógrafos



Quadrinista e editora, Thaïs Gualberto é formada em Arte e Mídia pela Universidade Federal de Campina Grande. Começou a se dedicar aos quadrinhos no fim de 2009, quando criou sua personagem “Olga, a sexóloga”.

Em 2010 formou o Coletivo WC com outros quadrinistas paraibanos, com quem publicou em 2012 a primeira edição da revista Sanitário. No ano seguinte lançaram a segunda edição e encerraram as atividades do grupo.

Também em 2012 entrou na formação do projeto da revista Inverna, uma publicação pensada para divulgar o que vem sendo produzido pelas quadrinistas brasileiras. Teve trabalhos selecionados para as edições de 2012 e 2015 da exposição “Batom, Lápis e TPM”, organizada pelo Salão de Humor de Piracicaba. Publicou tirinhas no jornal A União entre 2013 e 2014 e teve sua primeira exposição solo realizada na Aliança Francesa de João Pessoa entre abril e maio de 2014. No fim do mesmo ano tornou-se Coordenadora de Quadrinhos da Fundação Espaço Cultural da Paraíba e participou de mesa-redonda no 1º Encontro Lady’s Comics, um evento criado para discutir a representação feminina nos quadrinhos, realizado na cidade de Belo Horizonte. Em 2015 foi convidada para integrar a programação do Festival Internacional de Quadrinhos (FiQ), também na capital de Minas Gerais.

Como Coordenadora de Quadrinhos criou o projeto “Espaço HQ”, que acontece mensalmente no Espaço Cultural José Lins do Rego, com oficinas e mesas-redondas. Além disso, coordenou o 1º Encontro Regional Sobre Histórias em Quadrinhos – Quadrinhos Intuados, com convidados de quase todo o nordeste, oficinas, mesas-redondas, Feira de Quadrinhos Independentes e, na sua abertura, a reinauguração da Gibiteca Henfil. Também ministrou no Espaço Cultural o “Laboratório de quadrinhos para iniciantes”, uma oficina que introduz o básico da linguagem em quatro aulas. Outras experiências ministrando oficinas aconteceram em 2013 no projeto UMQDHQ do Sesc Ribeirão Preto, com “O processo de produção de quadrinhos para ‘não desenhistas’” e no Mussulo Resort, em 2015, onde ministrou oficinas para crianças no mês de julho.


João Lin é artista visual com atuação na produção de quadrinhos, cartum, ilustração, videoarte e intervenção urbana. 
Como artista gráfico recebeu vários prêmios em salões nacionais e internacionais de humor e quadrinhos, edita a revista de quadrinhos autorais Ragú e ilustra para a literatura infantil e algumas revistas de conteúdo jornalístico. 
Atualmente é coordenador assistente do projeto social Oi Kabum! Escola de Arte e Tecnologia - Recife. Estudou Teologia e Jornalismo não concluindo nenhum dos dois cursos. É recifense e aquariano nascido em 1968.
Alguns trabalhos em quadrinhos:
- Ragú 0-6 - Revista independente de quadrinhos (1999-2006)
- Domínio Público – Literatura em Quadrinhos volumes 1 e 2. (2005-2006)
- Consecüencias – Historietas Brasileñas – Madrid –Espanha (2002)
- Ragu Cordel – segunda edição (2012)

Alguns trabalhos em Ilustração e Design para Literatura Infantil :
- A Gata Lady Bi - Haroldo de Campos – Editora Era o Dito (2000)
- Você Sabe Assobiar? - Ulf Stark - Ed. Callis (2006)
- Beatriz em Trânsito – Eloí Elisabete Bocheco – Ed. Dimensão (2006)
- Anabela Procura e Acha Mais do Que Procura – Flávia Savary - Ed. Dimensão (2007)
- Andrócles e o Leão – Tatiana Belinky – Ed Manole - 2009
- A raposa e a tigela - Tatiana Belinky – Ed Manole – 2009
- A charada do gorducho - Ed Manole – 2009
- O cheiro da Lembrança – Celso Cisto - Ed. Prumo -2010
- A menina Vermelha – Luiz Brás – Ed. Manole - 2011
- Fábulas de Krylov – Tatiana Belinky - Ed Manole – 2012

Exposições:
- O que é o Brasil – Senac - SP – 2004
- Consecüencias – Historietas Brasileñas – Madri e Barcelona - Espanha- (2004)
- Ilustra Brasil 2, 3 e 4 – Senac- SP – (2006, 2007 e 2008)
- Los Invitados de honor - 6º Encuentro de Historietas de La Paz - Bolívia – (2008)
- Sueños em Papel – Museu de Arte de Zapopam/Trompo Magico –México – 2008
- Partido Gráfico – Centro Cultural Correios – Recife – PE – 2012
- No és cosa de Niños – Mérida Venezuela – 2012
- À Sombra Leve dos Anjos – João Lin – Recife - 2013


Prêmios:
1998 - Quadrinhos - XI Salão de Humor de Volta Redonda – RJ
1999 - Quadrinhos - XII Salão de Humor de Volta Redonda - RJ
1999 - Cartum - I Salão de Humor da Cidade do Natal - RN
2001 - Quadrinhos - XIII Salão Carioca de Humor - RJ
- Hq mix- revista independente - Ragú
- HQ mix- Projeto gráfico - Ragú Cordel
2002 - Quadrinhos - XII Salão de Desenho para a Imprensa - RS.
2003 - Quadrinhos – XV Salão Carioca de Humor RJ.
- II Salão de Design de Pernambuco –Projeto gráfico - Revista Ragú V
2005 - Menção Honrosa no Porto Cartoon Festival – 2005.
2006 - Quadrinhos - XVII Salão Carioca de Humor – RJ
2008 - Vídeo Experimental – Festival de Vídeo de Pernambuco – PE


Intervenções:
- Intervenção coletiva “Na Rua – Quadrinhos em novos formatos” - SPA das Artes 2006
- Intervenção coletiva “Na Rua” - Quadrinhos em novos formatos - EIA 2006 –SP
- Vestígios - Encuentro Internacional de Historietas em La Paz – Bolívia – 2008
- Vestígios – 18 º Festival de Inverno de Garanhus – PE - 2008
- Vestígios – SPA das Artes – 2008 – Recife – PE – 2008
- Vestígios – Festival de Artes Digitales de La Paz – 2009
- Vale um desenho – Spa das Artes – Recife - 2010
- Vestígios – 57ª Feira do Livro de Porto Alegre – RS – 2011
- Vestígios Venezuela – Mérida Venezuela – 2012



quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Os quadrinistas João Lin e Thais Gualberto participam de uma sessão de autógrafos em João Pessoa.

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Leituras Dramáticas


                                                                           Adriano Franco - Crédito Foto
Quando adolescente, fiquei ciente que em alguns eventos literários o autor realizava audições, ou seja, lia um capítulo ou algumas páginas do livro recém-lançado. Com isso, era estabelecida uma conexão mágica entre público e escritor. Nos meus pensamentos juvenis, sempre ficava imaginando como seria aquele momento em que o escritor dava vida aos seus personagens por meio de sua própria voz, reproduzindo as alegrias, tristezas, inseguranças e reflexões de cada um deles.


Assim, ao iniciar as produções de sessões de autógrafos em 2010, sempre ecoavam em minha mente a vontade de realizar algo no estilo. Então, em 2014, mais precisamente em 21 de novembro, o quadrinista Luciano Salles realizou na Café da Usina Cultural Energisa a primeira leitura dramática ao ler as 10 primeiras páginas do aclamado álbum "L'Amour 12oz" (Editora Mino), no bate-papo batizado pelo jornalista Audaci Jr. de "No Ringue com L'Amor". A experiência me conquistou e foi incrível ver como as pessoas presentes reagiam ao ouvir a criatura ganhar voz pelo seu criador.


Particularmente, eu esperava ansiosamente para repetir a dose com outro quadrinista. Então, em 10 de abril do ano seguinte, veio Marcello Quintanilha e seu arrebatador "Talco de Vidro" (Editora Veneta). Uma narrativa que apresenta como a inveja pode ser destruidora em nossas vidas e mais aterrorizante: como ela é presente ao nosso redor! Quintanilha fez seu espetáculo e as 20 primeiras páginas do álbum fisgaram a todos! O silêncio do público pairava no ambiente, olhos e ouvidos totalmente sincronizados e sintonizados naquelas páginas que atingiam seus corações e cérebros.


Mas a tarefa de produzir algo é uma tarefa viciante e particularmente tinha o desejo de produzir algo diferente. Ao pensar em realizar a audição do álbum de terror psicológico "Lavagem", do quadrinista Shiko, não queira que fosse uma leitura dramática realizada pelo autor, mas sim, outra experiência. Quem sabe algo mais voltado ao teatro – pensei. Com isso, veio-me a mente apenas um nome: Manu Coutinho, que – apesar de querer ser conhecida apenas como contadora de histórias – é uma grande atriz. Convidei-a para batermos um papo sobre o que eu imaginava para esta "leitura". Obviamente ela veio com inúmeras ideias que foram moldadas e transformadas na alma do que realizado.


Então, chega de conversa e vamos ao resultado, o qual se encontra no vídeo abaixo, pois a estrada é longa e ainda temos muitas leituras para realizar!




Se você não conseguir visualizar o vídeo, clique aqui

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

A boca quente vol 1, de Shiko




Na sintonia radiofônica da “Boca Quente da madrugada”, o apocalipse se instaura na Interzona: misteriosos assassinatos são cometidos por uma incendiária, nos quais os “possantes” das vítimas são levados; detetives fazem roleta russa esvaziando o tambor da sua libido nos cabarés e denúncias anônimas são feitas na estação central.

Arrancadas de Chevrolet El Camino, planos abertos, palavreado digno das pornochanchadas e sequências cinematográficas de pirotecnia são montadas por Shiko na sua primeira série em quadrinhos, remetendo aos fanzines que fazia nos anos 1990 como o Marginal, feito em limitadíssimas tiragens fotocopiadas.

Nesse curto espaço de páginas, o quadrinhista vai soltando ideias e cordas que vão ser amarradas mais à frente, nos próximos números, o que atiça a curiosidade do leitor pelas dúvidas colocadas pelas aparições de personagens ou ações em aberto.

Em virtude disso, ainda não dá para se ter um julgamento justo da obra, apesar da sua qualidade por meio dos desenhos realistas e detalhados do autor, sua narrativa dinâmica e sua pegada pulp, com direito a narrador em off e várias referências cult.

Percebe-se no zine reverências literárias como ao romance Almoço Nu, do escritor norte-americano William S. Burroughs (1914-1997). A obra beat chegou a ser adaptada para o cinema pelo canadense David Cronenberg em 1991, sob o título de Mistérios e Paixões.

Dentre outras referências ligadas ao cinema, Shiko pega o mote de um premiado curta-metragem de 16 mm que partiu de um roteiro seu: Cão Sedento (2005), dirigido por Bruno de Sales. Na produção paraibana, uma prostituta seduz os clientes para conseguir roubar seus carros. As vítimas são mortas e incineradas.

Para o leitor mais atento, A boca quente traz ainda menção ao longa O Profissional (1994), do francês Luc Besson.

Nos detalhados e sujos cenários, o autor traça várias linhas do tempo arquitetônicas que vão desde metrópoles estrangeiras como Nova York, cidades brasileiras como João Pessoa e elementos futuristas que marcam a atemporalidade na geografia do seu universo ficcional.

Sintonizando com o tema, a bem-vinda pornografia se destaca nas páginas deste número de estreia. O que Shiko faz graficamente casa de forma perfeita com a narrativa rasteira e em tom vulgar de uma espécie de “cordel erótico”.

A edição independente tem capa cartonada sem orelhas, formato 19 x 27 cm, papel pólen com boa gramatura e impressão. O escorregão ficou por conta de uma revisão, principalmente na pontuação do texto.

Duas sensações permanecem depois de ler o gibi. A primeira é a constatação de ser realmente um fanzine, algo feito com a paixão fervorosa de um fã usando sua bagagem cultural; a segunda é a ansiedade de contemplar o quadro marginal concebido pelo quadrinhista por inteiro.



A boca quente vol 1
Autor: Shiko
Formato: 19x27cm  - Miolo em p7b
R$ 20,00
Gostou? Compre Aqui

(Resenha publicada originalmente no site Universo HQ )

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Os autores e suas obras - Cristina Eiko, Paulo Crumbim e Juliana Fiorese





Juliana Fiorese nasceu em BedfordShire UK, em 1986, mas sempre morou no Brasil. Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo (Unipê) e em Design Gráfico (Estácio Idez) em João Pessoa, PB. Atualmente cursando a pós-graduação em Comunicação e Marketing nas Mídias Digitais (Estácio Idez), trabalha com ilustração de livros para a infância, sendo 3 já publicados. Além disso, tem participação no livro Mônica(s), publicado pela MSP; no projeto internacional The Alice`s Adventures in Wonderland Project, publicado na China; e publicações nas revistas Zupi e Photoshop Creative. Combinando técnicas clássicas de desenho com misturas de cores e texturas, expressa todo amor que sente em seu trabalho.






Paulo Crumbim e Cristina Eiko são autores de "Quadrinhos A2", HQs autobiográficas com uma narrativa que mistura fantasia e realidade, que conta com três livros já publicados e um quarto para este ano. 

Participaram juntos do livro Mônica(s) e são responsáveis pela GraphicMSP do Penadinho, lançamento previsto para maio. Além de todo esse material, Paulo é autor de "Gnut", com previsão também para este ano.

 O evento

A Comic House, Psiq e Funesc promovem, no dia 18/09, às 19h30 um bate-papo com os quadrinistas Cristina Eiko(SP), Paulo Crumbim(SP) e Juliana Fiorese(PB). E, no dia 19/09, às 18h30, na Comic House, em João Pessoa, será realizado uma sessão de autógrafos com o trio de quadrinistas.

Confira a programação abaixo:



Na sexta, dia 18 de setembro, às 19h30, os quadrinistas Cristina Eiko, Paulo Crumbim e Juliana Fiorese estarão no Auditório I (Rua Abdias Gomes Almeida, 800, Tambauzinho - Espaço Cultural José Lins do Rêgo), e conversarão com o público a respeito da criação de seus personagens, influências, técnicas de desenho e mercado. O bate-papo será mediado pelo jornalista Audaci Junior. Além do debate teremos a leitura dramática, a qual será realizada pela contadora de histórias Manu Coutinho e pelo ator Herlon Rocha e uma apresentação dos autores pelo jornalista e escritor Alex de Souza.


No sábado, dia 19 de setembro, às 18h30h, na Comic House (Av. Nego, 255, Tambaú, em João Pessoa) é a vez dos quadrinistas arregaçarem as mangas e autografar suas obras na Comic House. Na ocasião, Cristina Eiko e Paulo Crumbim irão autografar o lançamento "`Penadinho - Vida" (80 páginas, R$ 31,90), e suas demais obras ''Quadrinhos A2 vol 1'' ( 140 páginas, R$ 15), ''Quadrinhos A2 vol 2'' ( 180 páginas, R$ 20), ''Quadrinhos A2 vol 3'' (140 páginas, R$ 15) e ''Gnut'' (64 páginas, R$ 10) enquanto Juliana Fiorese assinará exemplares dos seus trabalhos mais recentes, "Valquírias" (livro)(112 páginas, R$ 25) e “Fragmentos (in)Conscientes (zine)" (48 páginas, R$ 15 ).


Colecionadores de outras cidades podem
adquirir seus exemplares autografados pelo site http://www.comichouse.com.br/ 





quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Pré-venda de exemplares autografados de Cristina Eiko, Paulo Crumbim e Juliana Fiorese














No sábado, dia 19 de agosto, às 18h30h, na Comic House (Av. Nego, 255, Tambaú, em João Pessoa) é os quadrinistas Paulo Crumbim, Cristina Eiko e Juliana Fiorese arregaçarem as mangas e autografarem suas obras. E como de costume, colecionadores de outros municípios e/ou estados podem adquirir seus exemplares autografados em nosso site. Abaixo relacionamos os títulos:
 
Visite nosso site www.comichouse.com.br e garanta seus exemplares belamente autógrafados.

Cristina Eiko, Paulo Crumbim & Juliana Fiorese em João Pessoa





Os quadrinistas Cristina Eiko, Paulo Crumbim e Juliana Fiorese participam de bate-papo, leitura dramática e sessão de autógrafos em João Pessoa.


A Comic House, Psiq e Funesc promovem, no dia 18/09, às 19h30 um bate-papo com os quadrinistas Cristina Eiko(SP), Paulo Crumbim(SP) e Juliana Fiorese(PB). E, no dia 19/09, às 18h30, na Comic House, em João Pessoa, será realizado uma sessão de autógrafos com o trio de quadrinistas.


Confira a programação abaixo:


Na sexta, dia 18 de setembro, às 19h30, os quadrinistas Cristina Eiko, Paulo Crumbim e Juliana Fiorese estarão no Auditório I (Rua Abdias Gomes Almeida, 800, Tambauzinho - Espaço Cultural José Lins do Rêgo), e conversarão com o público a respeito da criação de seus personagens, influências, técnicas de desenho e mercado. O bate-papo será mediado pelo jornalista Audaci Junior. Além do debate teremos a leitura dramática, a qual será realizada pela contadora de histórias Manu Coutinho e pelo ator Herlon Rocha e uma apresentação dos autores pelo jornalista e escritor Alex de Souza.


No sábado, dia 19 de setembro, às 18h30h, na Comic House (Av. Nego, 255, Tambaú, em João Pessoa) é a vez dos quadrinistas arregaçarem as mangas e autografar suas obras na Comic House. Na ocasião, Cristina Eiko e Paulo Crumbim irão autografar o lançamento "`Penadinho - Vida" (80 páginas, R$ 31,90), e suas demais obras ''Quadrinhos A2 vol 1'' ( 140 páginas, R$ 15), ''Quadrinhos A2 vol 2'' ( 180 páginas, R$ 20), ''Quadrinhos A2 vol 3'' (140 páginas, R$ 15) e ''Gnut'' (64 páginas, R$ 10) enquanto Juliana Fiorese assinará exemplares dos seus trabalhos mais recentes, "Valquírias" (livro)(112 páginas, R$ 25) e “Fragmentos (in)Conscientes (zine)" (48 páginas, R$ 15 ).


Colecionadores de outras cidades podem
adquirir seus exemplares autografados pelo site http://www.comichouse.com.br/ 


quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Sessão de Autógrafos com Cristina Eiko, Paulo Crumbim e Juliana Fiorese


terça-feira, 1 de setembro de 2015

O mundo de Aisha, de Ugo Bertotti



 Por Audaci Jr
“Nas ruas, as mulheres são como manchas negras, que se movem flutuando. De vez em quando um rápido murmúrio, um preço que se pergunta, depois se afastam deslizando… A partir de certa idade seus corpos se preparam para desaparecer. E sob aqueles véus negros parece não haver mais mulheres de carne e osso. Parecem pássaros negros, inamistosos, inabordáveis”.

Esta é uma das descrições das mulheres do Iêmen mostrada no álbum pelo italiano Ugo Bertotti, inspiradas pelas imagens e entrevistas da fotojornalista também oriunda do país em forma de bota, Agnes Montanari.

Assim como vários quadrinhos que se aprofundam na cultura mulçumana, tão “distante” da ocidental, vista geralmente pela sua superfície nos rodapés dos livros de História ou nos segundos de imagens dos noticiários da TV, pouco se sabe sobre o Iêmen, muito menos de suas misteriosas mulheres.

Como revela no seu posfácio, Montanari descobriu o país árabe acompanhando o marido que estava em missão pela Cruz Vermelha. A fotógrafa só sabia de características básicas do local, que até podem soar desconhecidas pelo leitor: a Al Qaeda e seu fundador, Osama Bin Laden, o PIB baixíssimo – um dos menores do mundo, e armas fazem parte do cotidiano como o aparelho celular no Ocidente, principalmente as AK-47 (duas por habitante, incluindo crianças e recém-nascidos).

O mundo de Aisha reúne três histórias sobre algumas dessas iemenitas que saem de casa vestindo dos pés a cabeça o denominado niqab – ou nicabe –, o véu negro que revela apenas os seus olhos. A vestimenta é frequente nos países da Península Arábica como o Iêmen, mas também pode ser encontrado em outras nações de tradição religiosa muçulmana.

Dono de um traço rústico e estilizado, lembrando até a arte da iraniana Marjane Satrapi em Persépolis, Bertotti aponta que o hábito secular de trajar o niqab não saiu de moda nos guarda-roupas de 95% das mulheres do Iêmen em decorrência da obrigação, mais do que a própria tradição.

A primeira parte do álbum já exemplifica isso de forma brusca, quando a garota que dá nome ao capítulo, Sabiha, é vítima de violência doméstica por se debruçar na janela secretamente pela manhã, sem o uso do niqab.

No segundo tomo, o leitor é apresentado a Hammeda, uma senhora empreendedora de vários restaurantes e hotéis que lutou para criar sozinha os filhos depois que o marido morreu, razão de ser duramente criticada pela sociedade mulçumana. Nos anos 1960, ela começou os negócios encarando o preconceito e alimentando soldados durante a guerra civil.

Por fim, a terceira e mais longa, mostra a jovem Aisha e outras iemenitas que a cercam no seu cotidiano. Situações como frequentar um emprego no qual só existem homens no ambiente e ser alvo de preconceitos, mesmo usando o véu, ou a pressão de se casar o mais rápido possível são abordadas não só no traço de Bertotti, mas nos registros fotográficos de Montanari, que também aparece como personagem.
Ugo Bertotti , autor de O Mundo de Aisaha

Tal narrativa “hibrida” – montando suas páginas com desenhos e fotos –remete à obra francesa O Fotógrafo (lançado por aqui pela Conrad), que conta a jornada de Didier Lefèvre no Afeganistão acompanhando os Médicos Sem Fronteiras. Ilustrada e adaptada por Emmanuel Guibert (autor de A Guerra de Alan, publicada aqui pela Zarabatana) com diagramação de Frédéric Lemercier (veja as resenhas dos volumes 1, 2 e 3).

A grande diferença entre as abordagens é que O mundo de Aisha sobrepõe balões às fotografias, mas igualmente serve para dar uma “realidade” aproximada e de carne e osso para ambos os relatos. Com a arte “preenchendo” e guiando as histórias, os cliques oferecem um choque de veracidade documental.

O que fica mais evidente no decorrer das três partes não é apenas a revolução silenciosa propriamente dita, na qual a geração entrevistada tem a consciência de lutar para a próxima não passar pelos mesmos obstáculos e preconceitos que elas enfrentaram.

Da mesma forma como foi revelador para a fotojornalista, o leitor também passa a enxergar além do anonimato dessas “manchas negras”, seja em virtude do uso do niqab, seja pela trajetória violenta que essas mulheres passam.

A edição da Nemo apresenta capa cartonada com orelhas, formato 17 x 24 cm, uma boa impressão em papel pólen, biografia dos idealizadores e fotografias nas últimas páginas. Apesar de ser uma obra de Ugo Bertotti, caberia tranquilamente o nome de Agnes Montanari figurar ao seu lado na capa. Afinal, as fotos são de autoria dela e suas entrevistas serviram de base para O mundo de Aisha.

O único “escorregão” na revisão coube à parte de agradecimentos, na última página, em que o quadrinhista oferece o trabalho à esposa Raffaella Bertotti, que está grafado “Rafaela” (a forma correta aparece no crédito fotográfico do autor, na orelha da edição).

Logicamente, esse errinho não influência na nota ou na avaliação de um sempre bem-vindo e esclarecedor material europeu.

Título: O mundo de Aisha.
Autores: Ugo Bertotti e com fotografias e entrevistas de  Agnes Montanari.
Formato: 17x24cm - 144 páginas 
Preço: R$ 39,90

Quer adquirir a sua? Clique aqui
  
(Resenha publicada originalmente no site Universo HQ )

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Pré-Venda de Hq's Autógrafadas de Mike Deodato, Magno Costa & Gabriel Jardim

 


No sábado, dia 29 de agosto, às 18h30h, na Comic House (Av. Nego, 255, Tambaú, em João Pessoa) é os quadrinistas Mike Deodato, Magno Costa e Gabriel Jardim arregaçarem as mangas e autografarem suas obras. E como de costume, colecionadores de outros municípios e/ou estados podem adquirir seus exemplares autografados em nosso site. Abaixo relacionamos os títulos:


3000 Anos Depois, Deodato Borges & Deodato Filho
64 páginas, Capa Dura
R$ 69,90
Compre aqui 














Quadros, de Mike Deodato
80 páginas, capa cartonada,
Luva trasparente silkada compondo a capa
R$ 58
Compre aqui












As aventuras do Flama, de Deodato Borges
36 páginas,
Sobrecapa: 33x26cm - por Mike Deodato
R$ 10,00
Compre aqui 












 A vida de Jonas, de Magno Costa
64 páginas, formato álbum
R$ 40 
Compre aqui













Oeste Vermelho, de Magno e Marcelo Costa
88 páginas, formato 20,5 x 20,5cm
R$ 37,00
Compre aqui 














Mary, Magno Costa
40 páginas, formato 13x13cm 
R$  13,00
Compre aqui













De Dentro da Couraça, de Gabriel Jardim
52 páginas, formato 21,5x32cm
R$ 35,00
Compre aqui   














 

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...